14 de abr de 2012

Monólogo

     "Nunca, jamais, sob hipótese alguma entregue seu coração a alguém sem ter a absoluta certeza de que o mesmo cuidará dele melhor do que você mesma!" - Era o que eu havia tentado colocar em minha cabeça. Estas palavras. Talvez eu criasse um pouco de juízo se alguém as pronunciasse frente a mim. Estava mesmo funcionando, pois faziam todo o sentido. "Ou então, será você quem deverá tratar de cuidar das feridas que poderão se formar nele. Só você." - Eu passei a tratar minhas feridas, para que elas não ficassem expostas e não doessem mais. Entre um curativo e outro, minhas lágrimas mostravam o quanto eu era fraca. Realmente, muito fraca.
     "Não permita que o descartem. Ele é valiosos demais mais para isso... Não vale a pena correr atrás, faça o correr até você." - É o que eu deveria ter aprendido após cometer o mesmo erro de doar meu coração a pessoa errada tantas vezes. E eu que pensei que não me enganaria novamente...  Pensei tantas vezes que havia me tornado mais forte, mais fria, mais calculista... Mais inteligente. "Nunca, jamais, sob hipótese alguma deixe sua felicidade nas mãos de alguém. É o pior erro de todos. De todos!" - Tarde demais, minha felicidade foi entregue nas mãos de quem não queria saber dela, eu a perdi, e não sei com quem eu posso encontrá-la.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

- Os comentários são a maior motivação para uma blogueira continuar publicando, afinal, nada mais triste do que achar que ninguém está lendo o que ela publica, não é? *-*